E aí, horadrim!

Uma pausa na jogatina para mais um pouco de lore!
Hoje começo falando do Conflito Eterno, da galera que cansou dessa treta e criou Santuário e, também, dos nefalem que surgiram depois disso! 😀

  • O Conflito Eterno

As informações sobre o Conflito Eterno foram tiradas de fragmentos de pergaminhos da Igreja Zakarum.

Assim como Anu e Tathamet duelaram até se destruírem, os seres nascidos dessa destruição – anjos e demônios – continuaram com esse destino. Os confrontos ocorrem na maioria das vezes em Pandemônio, com o objetivo de conquistar a Pedra do Mundo que está lá.

A Pedra do Mundo tem o poder da Criação, de gerar mundos e novas vidas, um artefato de poder incrível! Não se deixe enganar pelo nome, essa ‘pedra’ é uma montanha colossal. Quando Pandemônio é dominado por um dos lados da disputa, sua aparência e realidade são alteradas. Os anjos usavam em prol da ordem perfeita e ideais representados por seus arcanjos: justiça, esperança, bravura, sabedoria e destino; já os demônios a usam para criar armas de aniquilação, terror e ódio (pra deixar qualquer decorador maluco!).

Seja qual for o lado que crie novos mundos, nenhum sobrevive. Estão sempre condenados a secar e morrer… É como se não tivesse algo que estabilizasse essa existência.
Tyrael, depois de algum tempo de guerra, ordenou a construção de uma fortaleza ao redor da Pedra do Mundo: a Fortaleza Pandemônio.

  • Criação de Santuário

Inarius e Lilith

Anjos e demônios são seres conscientes e de livre arbítrio. E eles se cansaram do Conflito Eterno e queriam fugir dessa bagunça toda.

No Livro de Kalan (Kalan antes atendia por Mendeln, voltaremos a falar dele na Guerra do Pecado) há uma passagem sobre o anjo renegado Inárius (era assessor do Conselho Ângiris e subordinado de Tyrael).
É contado que ele, cansado das brutalidades que testemunhou, concluiu que o conflito é injusto. Na sua busca por anjos que compartilhassem essa linha de pensamento, surpreendeu-se ao encontrar demônios também insatisfeitos com o rumo desse conflito.

Mas não é apenas Inarius que merece destaque, no lado dos demônios temos Lilith. Ela não concordava com a forma que seu pai, Mefisto, e os irmãos dele comandavam e só esperava uma chance para a rebelião.
A lenda conta que Inárius e Lilith se apaixonaram (Você acredita? Nem Cain entendeu!). Essa aliança entre anjos e demônios mudou o rumo da guerra, da realidade e da existência.
O casal e seus companheiros uniram-se e, com algum jeitinho alguma manobra, entraram na câmara onde a Pedra do Mundo estava guardada dentro da Fortaleza Pandemônio, roubaram e esconderam a pedra dos olhos de anjos e demônios usando magia muito louca pra esconder uma pedra gigante daquelas!

Então Inárius, manipulando o poder da Pedra do Mundo, criou Santuário – o que conhecemos como mundo mortal. Um paraíso particular para que anjos e demônios fugissem desse conflito.

Citação do Livro de Kalan:

Inárius e seus novos companheiros alteraram a frequência e o alinhamento dimensional da Pedra do Mundo, usando os poderes da rocha para escondê-la dos anjos e demônios que ainda se digladiavam no Conflito Eterno. Eles enviaram o enorme cristal para uma dimensão escondida, e lá construíram um jardim paradisíaco ao redor do artefato: um mundo batizado de Santuário.

Inárius moldou o que recebeu o nome de Monte Arreat como uma proteção ao redor da Pedra do Mundo e, a partir desse lugar, que o mundo todo começou a se formar (literalmente, mas como civilização também).

Agora para e pensa na treta que deu quando uma montanha colossal desapareceu! Foi caos dos dois lados, um lado acusando o outro. O principal motivo do conflito que já durava milênios desapareceu e, então, o que era uma batalha virou uma busca.

Muitos já sabem o destino da Pedra do Mundo e do Monte Arreat. Mas a tia vai contar tudo na ordem, ok? 🙂

  • Surgimento dos Nefalem

Lenda de Rathma

E foi nesse paraíso que, felizes e contentes, Inárius e Lilith se casaram (não consigo processar um casório desses…) e tiveram filhos. Logo os outros anjos e demônios renegados fizeram o mesmo. ( ͡° ͜ʖ ͡°)
Não encontrei informações sobre como nascem os demônios – anjos nascem do Arco Cristalino em momentos harmoniosos, mas o nascimento dos nefalem foi novidade para os renegados.

Segue o relato extraído de uma passagem do livro sagrado dos druidas, Scéal Fada (que em irlandês significa ‘Longa História‘):

E eis que somos como nossos pais e mães, parecidos porém antagônicos, um decadência, o outro luz.  De fato, a união do anjo e do demônio gerou uma terceira essência. Nós somos essas crianças. Somos os nefalem. Existimos sendo metade anjo e metade demônio. No entanto, somos uma espécie completamente nova. Por causa de nossa descendência, nos amavam. Por conta de nossas diferenças, nos temiam. A relação com nossos pais e mães reside no equilíbrio vacilante entre amor e medo.

Temos então nosso primeiro ‘Casos de Família’ da existência. Desculpa, num resisti.

A primeira geração de nefalem, os Ancestrais, espalharam-se pelo mundo em busca de compreensão e conhecimento, adotaram várias filosofias enquanto exploravam Santuário. Cain destaca quatro nefalem em seu texto: Bul-Kathos, Vasily, Esu e Rathma.

Bul-Kathos era um cara imenso e forte, conhecido por sua bravura. É reverenciado pelos bárbaros do Monte Arreat como um deus. Eles herdaram sua força e tenacidade.

Vasily também aparece em lendas bárbaras, mas como um confidente. É irmão mais novo de Bul-Kathos que, frustrado, partiu para os ermos com um grupo de poetas e xamãs para curtir uma vida mais natureba. Não encontrei informações sobre o motivo que levou Vasily a fazer isso, mas como sua linhagem tornou-se o que hoje são os druidas, imagino que eles queriam fugir de ambientes com violência já que não compartilham o pensamento dos bárbaros.

Esu é uma nefalem que sempre foi atraída pelas forças da natureza. Com muito treino e meditação ela dominou todos os elementos naturais. Suas descendentes são as temidas feiticeiras (vem de ‘sorcerer’, não ‘witch doctor’, Cain chama elas de bruxas) do Kehjistão.

E, finalmente, Rathma. Este nefalem preferiu a solidão e andou pelos cantos mais remotos do mundo buscando entender os ciclos de vida e morte. Ele repassava os conhecimentos adquiridos para quem se aventurasse em ir ao seu encontro em um lar subterrâneo. Rathma iniciou os necromantes, que valorizam o equilíbrio entre luz e escuridão. Seus descendentes o retratam na forma de uma serpente gigante, não sabemos se isso é lenda ou realmente ele adotava essa forma inumana.

Vovô Cain adverte: Existiram milhares de outros Ancestrais com poderes incríveis! Muitas histórias podem ter se perdido ao longo dos anos, infelizmente. 🙁

  • O Expurgo

Mas o que os papais e mamães renegados pensam dos filhos boladões? Todo esse poder foi inesperado para eles e trouxe muita preocupação. O maior temor era a existência dos nefalem chamarem a atenção do Paraíso Celestial e do Inferno Ardente para Santuário.

Logo falaremos (MUITO) mais dela!

Os renegados temiam mais uma condenação pela miscigenação do que pela rebelião. Então começa uma nova treta: alguns renegados queriam acabar com todos os nefalem de uma vez, outros queriam que os filhos fossem poupados. Inárius interviu e pediu um tempo para pensar…

…Maaaaaaas vocês acham que mamãe Lilith ia assistir tudo quieta? Daqui as coisas foram de mal a pior! O texto abaixo (anônimo e não catalogado) que foi encontrado na Grande Biblioteca de Caldeum narra o ocorrido:

Lilith, a primeira mãe dos nefalem, foi tomada de um frenesi ensandecido ao saber da ameaça da extinção de seus filhos. Ela se transformou em uma forma muito mais horrível do que alguém já vira – garra e presa, lâmina e espinhos – e caçou seus companheiros renegados. Lilith assassinou cada seguidor de Inárius, deixando somente ele para descobrir a carnificina que causara.

Inárius ficou horrorizado pela perda dos camaradas e pelos atos selvagens cometidos por sua amante. Embora furioso, não conseguiu se forçar a matar Lilith e, em vez disso, baniu-a do santuário que tinham criado.

Então Inárius aprimorou a Pedra do Mundo para fazer com que os poderes dos nefalem diminuíssem com o tempo. E desapareceu – embora alguns digam que ainda caminha entre nós em uma forma que lembra a nossa.

Vovô Cain adverte II: é complicado separar o mito da realidade.

Ao longo do tempo os poderes dos nefalem realmente foram nerfados por Inárius. 🙁
Mas ainda existem vestígios daquele poder na humanidade.

Ah, Inárius e Lilith? Logo voltaremos a falar desse casal fofo!


Imagens do livro do vovô Cain! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *