Olá novamente, nefalem e horadrim!
Começo agora a contar a história documentada. Daqui pra frente a situação só piora! ♥

  • O Início da Civilização

Desde o Expurgo muito tempo se passou, foram milênios. Gerações de nefalem, mesmo com um tempo de vida diferente do normal, já não existem mais. O que contei no post anterior virou lenda enquanto cidades eram construídas pelo mundo. Segundo o Livro de Tyrael, a história começou a ser documentada em -2300 Anno Kehjistani. Artefatos como placas e cerâmicas indicam que escrita, arte e ciência começaram nesse período em Kehjan (hoje chamado Kehjistão).

Vale do Kehjistão

Lembram de Vasily? Seus descendentes estabeleceram-se em Scosglen (faz fronteira com Kehjistão ao norte) e formaram centros de aprendizado para entrar em harmonia com a natureza virando hippies. Os seguidores de Rathma com seus ritos esotéricos vivem em lares subterrâneos nas selvas ao leste de Kehjan. As bruxas de Esu esforçaram-se em harmonizar os elementos em busca da batida magia perfeita.

Religiões também começaram a surgir e tinham duas vertentes: o misticismo e a . Cain define misticismo como estudo da ciência e da magia, de forças aparentes e ocultas, na busca da humanidade em controlar seu próprio destino. Em contrapartida, a diz que a humanidade tem que confiar em algo além da compreensão, uma força superior que determinará o nosso destino, valores morais e éticos.

  • Clãs Magos

Foi em Kehjan, no ano -2200, que começou o estudo das ciências arcanas e,
consequentemente, escolas de magos. Das escolas de magos que vivaram clãs destacam-se três: Vizjerei, Ennead e Ammuit. Tyrael diz que muitos clãs que existiram ainda são um mistério.

♦ Os Vizjerei, o maior deles, é famoso por sua rígida disciplina capaz de transformar qualquer jovem rebelde num mago de respeito, eram focados em espiritismo (a IrinaSibila, seguidora no Diablo III – era desse clã).
♦ O clã Ennead é especializado em transmutação da matéria, sendo capazes de alterar o mundo que os cerca com essa habilidade.
♦ Já os Ammuit são os ilusionistas com a capacidade de alterar a realidade e a percepção que temos dela.

Esses clãs começaram a ficar muito poderosos, chegando até o governo, com uma organização composta por membros dos maiores clãs, a Al’Raqish (ou Conselho de Magos), eles e as guildas de mercadores tinham muita influência na monarquia. A liderança da Al’Raqish mudava de representante a cada lua nova, sempre um membro de um clã diferente.

Disputas violentas e ações preconceituosas existiram entre os clãs, mesmo assim Al’Raqish prosperou por muitos anos. Os governantes não passavam de meros fantoches nas mãos dos magos. Mas essa ‘estabilidade’ não durou muito.

  • Santuário Revelada

Os Vizjerei sempre acreditaram na existência de espíritos nesse e em outros planos, o foco dos estudos é justamente estabelecer essa comunicação. Estudaram práticas druidas e necromantes e, mesmo com toda a disciplina e dedicação, só ouviam sussurros do ‘outro lado’. Mas um mago conseguiu…

Foi no ano de -1992 que Jare Harash, um mago modesto e deboas, conseguiu se comunicar e invocar um ‘espírito’ depois de sofrer uma perda imensa, como descreve o texto de Dumal Lunnash (outro mago Vizjerei, hoje seus textos são considerados sagrados e sim, eu ri desse nome):

Jere Harash era um membro apagadiço dos feiticeiros Vizjerei. Como jovem iniciado, aspirava a um dia representar seu clã no Conselho dos Magos, mas era sempre superado por colegas mais talentosos. Suas frustrações crescentes chegaram ao ápice quando os pais e a irmã foram mortos durante uma rusga de curta duração entre os clãs Vizjerei e Ammuit.

Com o coração cheio de fúria e ódio, Harash contatou os espíritos e teve sucesso onde tantos dos seus colegas feiticeiros tinham falhado. No entanto, nem ele nem os outros Vizjerei poderiam ter compreendido a entidade que trouxe para nosso mundo: um demônio de puro ódio e malícia. E assim, o outrora incompetente Jere Harash se inscreveu nos anais da História para sempre.

Textos oficiais dos Vizjerei, alguns escritos pelo próprio Lunnash, diminuem esse acontecimento. Hanash é retratado como um simples mago que obteve informações sobre conjuração através de um sonho e que o primeiro contato foi com um ‘espírito dos mortos’. ¬_¬’

Cain presume que Hanash teve sucesso devido às suas emoções negativas, que seu ódio e ira teriam entrado em harmonia com um dos reinos do Inferno Ardente. Hanash, quando percebeu o que fez, prendeu a criatura que invocou e avisou os anciãos Vizjerei de sua descoberta.

Só que no momento que Hanash invocou a criatura, o GPS dos Males Supremos atualizou e Santuário teve sua existência revelada! Os Vizjerei não perceberam isso, estavam preocupados com a possibilidade de não conseguirem controlar essas entidades, por isso decidiram não revelar essa descoberta para os outros clãs.

Mas o ego dos caras cresceu, o clã acreditava ser capaz de controlar qualquer entidade! Trouxeram cada vez mais demônios para esse mundo (por pouco período de tempo), não queriam usá-los como armas, mas tinham uma sede de conhecimento imensa! Até parece que os Vizjerei iam se contentar com isso, né? Com seus novos conhecimentos passaram a escravizar demônios em sua sede de poder em dominar não só Kehjan, mas o mundo inteiro! Os outros clãs, usando seus meios, perceberam o modo estranho como os Vizjerei estavam operando, mas não fizeram nada para interferir.

O que nenhum mago considerou foi que aqueles demônios voltariam para o Inferno Ardente cheios de fofoca para contar! Os Males Supremos perceberam o potencial da humanidade, talvez devido ao poder remanescente dos nefalem, e logo acharam uma maneira de usá-los para ganhar vantagem no Conflito Eterno.
Então nosso Trio Calafrio Diablo, Mefisto e Baal começaram a lançar sua influência sobre os mortais e suas ideias correram Santuário dando início ao plano de montar um gigantesco exército contra o Paraíso Celestial.

  • O Triuno

Templo do Triuno

Com essa influência sobre os mortais, no ano -1880, surgiu uma nova religião em Santuário que se construiu com base nos ‘sussurros’ ouvidos: o Triuno, que venerava três espíritos benévolos. Um doce pra quem adivinhar quais eram esses espíritos! Nem precisa, né?

Dialon, o espírito da Determinação, era Diablo;
Mefis, o espírito do Amor, era Mefisto;
Bala, o espírito da Criação, era Baal.
Mas que coincidência serem opostos de Terror, Ódio e Destruição! -sqn

Essa nova religião tornou-se imensamente popular e em pouco tempo dominou quase todo Kehjistão. Ninguém desconfiou de nada, acreditavam cegamente nos princípios de união e poder inato da humanidade que era pregado.

Lucion

O Triuno construiu um edifício imenso com três torres, uma para cada espírito, e
chamaram de Grande Templo. Seus guerreiros denominavam-se Guardiões da Paz. Só quem era de alto nível na crença sabia a verdade e praticavam rituais demoníacos torturando iniciados inocentes, para o prazer dos seus verdadeiros mestres. Quem liderava tudo isso era Lucion, filho de Mefisto (e irmão de Lilith).

E onde será que estavam os Clãs Magos nessa hora? Só observando. Eles julgaram que o Triuno era só uma moda passageira. 🙂

Cain faz uma reflexão interessante: Será que naquela época os Males Supremos sabiam da origem divina da humanidade?
Os Males Supremos esconderam dos Males Inferiores a existência de Santuário, o que acabou resultando no Exílio das Trevas (que será contado em breve :3).


Paro por aqui! Próxima publicação será a saga que acho mais legal de toda a lore: A Guerra do Pecado! *-*

Até lá! ♥


Imagens do Livro de Cain / Livro de Tyrael

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *