Pensa numa pessoa feliz! 😀

Esse blog foi criado para esse momento: The Sin War, trilogia de Richard A. Knaak! São livros que eu torço muito para alguma editora alô, Galera Record! ter interesse em traduzir e me contratar para ajudar! ♥

Conto aqui os acontecimentos do livro Birthright, que em tradução direta significa ‘direito de nascimento’,  ‘herança’ ou ‘primogenitura’. No outro blog eu até traduzi o nome do livro, mas no fim achei acabei achando estranho, mesmo simpatizando mais com o nome ‘Herança’ – do poder Nefalem.

Devo esclarecer que não vou dar detalhes de aparência de personagens, locais e paisagens (a não ser que sejam vitais para a história). Deixo para os livros a experiência completa. Quero despertar a curiosidade de vocês para que essa história seja oficialmente publicada por aqui!

Senta que lá vem história (e MUITO spoiler)! 😀

  • Livro I: Birthright – Parte I

A história dessa saga está registrada nos livros de Kalan, dividida em tomos, o ano é -1809. É na remota vila de Seram que começamos a contar sobre o fazendeiro Uldyssian ul’Diomed – ou Uldyssian, filho de Diomedes. Há 10 anos ele perdeu sua família para a praga, apenas ele e seu irmão Mendeln sobreviveram.

Ele estava na Boar’s Head, taverna de Tibion (que foi muito amigo de Diomedes), esperando por seu irmão atrasado quando foi abordado por um missionário da Catedral da Luz: “Você já viu a Luz, meu irmão?”. Uldyssian já foi uma pessoa de fé, mas ao perder sua família passou a acreditar apenas no que seus olhos veem. Sua reação ao missionário foi violenta, o erguendo pela gola e, na frente de todos, ameaçou o missionário caso ele não o deixasse em paz…

Tinha chamado muita atenção, então resolveu sair da taverna.  Foi para o mercado de Cyrus onde encontrou a filha dele, Serenthia, que mesmo apaixonada por Uldyssian há anos, este só a vê como uma irmã mais nova. O local estava movimentado, uma caravana que estava a caminho de Tulisam se perdeu passaria a noite ali e estavam aproveitando para fazer negócios.

Foi quando Uldyssian viu uma moça muito bonita que roubou sua atenção, mas logo desapareceu entre os outros viajantes. Depois cruzaram-se brevemente, quando ele descobriu que o nome dela era Lylia e não tinha para onde ir, mas não conversaram muito pois ela desapareceu novamente. Ele reparou que tinham membros do Triuno ali, apenas dois, o que era estranho já que sempre andavam em trios. Descobriu que o terceiro tinha desaparecido misteriosamente…

Um pouco longe dali seu irmão Mendeln estava observando um artefato que seu amigo Achilios tinha encontrado na floresta. Achilios jurava que conhecia todo o lugar e que nunca tinha visto aquilo, era uma pedra escura desgastada com algumas inscrições desconhecidas. Quando Mendeln tocou o artefato ficou paralisado, nem piscava, podia sentir toda a idade daquele objeto…ou a falta dela (em inglês é dito: agelessness – como se fosse algo eterno). Vendo como estavam atrasados e como o tempo estava ficando estranho, cobriram o artefato e rumaram para a vila.

Uldyssian viu que o tempo estava fechando e foi procurar pelo irmão. Perguntou para Serenthia, que apontou para a floresta e ele seguiu para lá, foi quando encontrou Lylia novamente. Ela parecia não ter percebido a tempestade se aproximando e ele foi todo sem jeito chamar ela. No meio da troca de amenidades, ela diz que viu algo estranho mais à frente…

Ele tomou a frente e foi ver onde ela apontava, mas o que aguardava era uma cena horrível. Um corpo com o tronco dilacerado, como que por um açougueiro (não é ‘O Açougueiro’, é só para expressar que o bagulho foi louco!). Investigando suas vestes percebeu que se tratava de um membro do Triuno, justamente o que havia desaparecido!

Lylia se aproximou e desmaiou ao ver a cena. Uldyssian resolveu voltar com ela para a vila e comunicar Tiberius, o chefe da guarda de Seram, assim como o líder da vila, Dorius. Chegando na vila, encontrou Mendeln e Achilios que também tinham acabado de voltar.

Cogitaram levar Lylia para a curandeira Jorila, mas a moça só precisava de descanso e provavelmente tinha reservado um quarto no Boar’s Head. Entrariam pelo fundo para não causar alarde enquanto Mendeln buscaria as coisas dela na caravana, descobrindo qual é o quarto dela. Ela não tinha reservado um quarto, mas deram um jeito de ficar com um (ninguém vai perguntar o que essa desgramada tava fazendo no meio do mato sozinha?).

Quando Lylia acordou, Uldyssian explicou para ela a situação toda e, no meio da conversa, ela diz que não confiava em missionário algum, que não gostava das religiões (e ganhou mais pontinhos com nosso herói). Então, para não envolver ela em confusão, foi sozinho contar às autoridades sobre o ocorrido. Ao descer para a taverna ele percebeu que tinha algo muito errado acontecendo ali e, avistado pelos missionários do Triuno, estes começaram a gritar acusando-o de assassinato. Tentando explicar o que aconteceu, surpreendeu-se ao saber que outro corpo foi encontrado: o do missionário da Catedral da Luz.

Dorius o prendeu. Por mais que a reputação de Uldyssian seja ótima, todos testemunharam a discussão e a ameaça que ele fez ao missionário mais cedo na taverna. Seus amigos o visitavam na prisão e tentavam dar esperanças em vão. Depois de saber que o segundo corpo foi encontrado quase intacto, diferente do primeiro, não teve mais nenhuma notícia do que estava acontecendo do lado de fora. E dias passaram…

Enquanto preso, sua revolta só aumentava. Repetia na sua cabeça “Eu tenho que sair daqui… eu tenho que sair daqui…” até que escutou um barulho, um ranger seguido de um clique. Uldyssian ficou assustado enquanto observava a porta de sua cela escancarada! Só que não tinha mais ninguém ali! Não demorou muito e Tiberius com seus guardas chegaram, o revistaram e conferiram a fechadura. Estava tudo certo e o trancaram novamente.

Quem poderia ser o responsável por essas mortes e pela fechadura? Nenhuma pista. Uldyssian estava lá quebrando a cabeça quando ouviu passos no corredor, era Lylia. Ela não estava nem um pouco conformada com o que aconteceu com ele, disse que tudo estava acontecendo de novo, Uldyssian não entendeu, ela explicou: é um jogo entre a Catedral da Luz e o Templo do Triuno. Uldyssian ficou com cara de bolinha…

Mas Lylia finalmente contou sua história: sua família tinha muita influência e riqueza, ambos resultados de muito trabalho, mas por terem rejeitado publicamente as duas religiões a vida deles virou de cabeça para baixo. Um incêndio ocorrido em um templo menor feriu muitas pessoas, o fogo acabou se alastrando para as outras construções e, de alguma forma, descobriram que foi um ato criminoso e que sua família estaria envolvida!

Todos na cidade tinham adotado uma das crenças: o consolidado Triuno ou a recente Catedral da Luz. Acusados sem provas, sua família perdeu tudo o que tinha. Os pais de Lylia foram arrastados para nunca mais serem vistos, seu irmão levado para as masmorras e sua irmã foi forçada a se casar com um dos mais poderosos apoiadores da Catedral da Luz! Destino semelhante a esperava, mas ela juntou tudo o que pode e fugiu.

Lylia temia ser culpada por tudo que Uldyssian estava passando, o que ele negou prontamente e recomendou que ela não contasse essa história para mais ninguém. Inspirado por Lylia, decidiu lutar contra seu destino e as duas religiões. Lylia, antes de partir, o beijou (numa cena novelística entre as grades da prisão ♥). Os Inquisidores da Catedral da Luz e os Guardiões da Paz do Triuno já estavam chegando, e não era para um julgamento, mas para punir publicamente um culpado.

Nesse período, Mendeln estava desaparecido. O irmão mais novo de Uldyssian nunca foi do tipo de trabalhos braçais, era estudioso, então não foi surpreendente ele contratar outra pessoa para cuidar da fazenda enquanto seu irmão estava preso, mas não mandou mais notícias.

Quando os Inquisidores da Catedral da Luz chegaram, demandaram ver o corpo do colega que, obviamente, já havia sido enterrado. Chegando ao túmulo, o líder inquisidor começou o que parecia uma prece, então muitos escorpiões começaram a surgir do túmulo e revelaram o cadáver. Achilios e Serenthia estavam com eles. Achilios, sendo um caçador, foi consultado para confirmar a suspeita do líder inquisidor: o corpo e o túmulo haviam sido profanados.

Mendeln estava na floresta, ao norte, sofrendo com muita dor de cabeça e tentando entender a razão de ter tido blackouts e visões estranhas. Nessas visões ele viu, de um ângulo frontal, a morte do seguidor do Triuno. Até cogitou ser ele o assassino, mas se acalmou ao lembrar que estava com Achilios o tempo inteiro. Tudo isso começou a acontecer depois que ele tocou aquele artefato estranho.

Em Seram, Mikelus, inquisidor da Catedral da Luz, claramente não queria um julgamento para Uldyssian. Soberbo e autoritário, quis puni-lo na frente de todos como exemplo. Uldyssian estava conformado, pelo menos Lylia não sofreria nada. Mas essa bendita mulher me aparece do nada e é percebida por Mikelus! Ela estava em perigo!

Uma tempestade de raios começou com ventos fortes que não deixou ninguém ficar em pé. E então um raio. Caiu bem na cabeça de Mikelus, que não teve tempo para nada, fritou ali na frente de todos. Em seguida outros raios começaram a atingir e destruir Seram inteira. Vendo que estava livre, Uldyssian fugiu e tentou levar Lylia para um lugar seguro, mas ela o convenceu que o melhor caminho era saírem de Seram em direção à floresta.

Eles perceberam que a tempestade estava atingindo apenas Seram. Durante a corrida Lylia caiu e machucou seu tornozelo, Uldyssian queria levar ela para algum curandeiro, mas era impossível. Enquanto tocava o tornozelo dela pensando no que fazer, a dor dela e a lesão desapareceram. Lylia olhou para ele com adoração, isso deixou ele incomodado. Ela acreditava fielmente que Uldyssian a tinha curado.

Lylia tinha certeza que ele tinha criado aquela tempestade e que ele também tinha o poder de fazê-la parar, insistiu para que Uldyssian mentalizasse isso. Começou desacreditado, mas com algumas tentativas o sol começou a brilhar em Seram deixando um Uldyssian de boca aberta!

Mudando de cenário, vamos falar um pouco sobre Templo do Triuno, dois dias a cavalo ao sul de Kehjan.

Uma construção imponente com três torres.

Suas janelas, portas e até as torres são triangulares. No salão estão as estátuas dos três espíritos:


  • Bala, uma escultura andrógena vestida em uma túnica, carregando seu martelo e uma sacola onde estariam as sementes da vida, é o Espírito da Criação;
  • Dialon, sua escultura semelhante a anterior, mas carregando os Tablets of Order (fico em dúvida em como traduzir isso, poderia ser Tábuas da Ordem, mas acho estranho – imagine isso como mandamentos), é o Espírito da Determinação;
  • Por fim, Mefis, sua estátua ao centro com aparência semelhante as outras mostra suas mãos vazias, mas em concha, é o Espírito do Amor.

O Grande Sacerdote, a quem chamavam de Primus, é muito querido e benevolente. Diziam que ele era filho de Mefis devido ao cuidado que tinha com seus seguidores. Os Guardiões da Paz tinham símbolos das três ordens em sua armadura, guiavam os seguidores para o espírito com que mais se identificavam. Cada ordem tinha seu Sumo-Sacerdote, e aqui somos apresentados a Malic, da ordem de Mefis, talentoso e ambicioso. Malic sabia qual era a real finalidade do Triuno e recebia ordens direta do Primus, em tom nada benevolente, para seguir à oeste…

Vamos voltar para Seram ainda quando a tempestade estava acontecendo. Achilos estava com a mesma sensação que sentiu quando tocou aquela pedra que encontrou na floresta, desde aquele momento seus sensos de caçador aumentaram. Encontrou Serenthia e a impediu de testemunhar a morte do pai, Cyrus, quando seu estabelecimento desabou. Ele preferiu não contar para ela o que viu, pelo menos não naquele momento.

Mendeln voltou para a cidade ao ver a tempestade e, chegando lá, ouviu a voz de Cyrus perguntando pela filha. Só que não havia ninguém em volta dele, o que viu foi uma aparição. Foi até os escombros, onde estava a imagem de Cyrus, e encontrou o corpo do dele. Tentando entender o que estava acontecendo (com ele e com a vila), foi reconhecido e preso pelos inquisidores que sobreviveram à tempestade. Queriam usá-lo como exemplo diante de todos em Seram.

Achilios e Serenthia tinham ido em busca de Uldyssian na floresta e encontraram Uldyssian e Lylia, mas decidiram voltar para Seram quando Uldyssian sentiu que o irmão estava em perigo. Ao chegar lá, testemunharam Mendeln chicoteado e Uldyssian foi tomado pela ira. Ele matou todo mundo da Catedral da Luz que viu, Tiberius até tentou detê-lo, mas um terremoto começou subitamente e o grupo aproveitou a oportunidade para fugir. Estranhamente, seis cavalos dos inquisidores correram até eles, conseguiram domar cinco.

Toda essa confusão acontecendo e Serenthia ainda tentou ir no mesmo cavalo que Uldyssian. Só que Lylia pessoa gente fina, ofereceu seu cavalo para ela e disse que ia com ele, deixando a menina iradíssima! Foram para sudeste pensando em deixar tudo para trás e recomeçar, se o Triuno e a Catedral da luz permitirem…


Eu li o Livro de Cain, lá tem o resumão do que aconteceu. Eu esqueci detalhes e personagens que estão escritos lá, então tô curtindo a história como uma novidade! 😛

Quando comecei a escrever sobre essa saga minha intenção era dedicar um post para cada um dos três livros. Achei que ficou muito longo e, pelo fato de eu escrever conforme leio para passar as minhas reações aqui, preferi fazer subdivisões.

Então, na próxima será: Parte 5: Guerra do Pecado – BIRTHRIGHT II!
Até lá! ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *